Início » Ciência » Ciências da Terra » Ciência Atmosférica » Como os fungos em Chernobyl reagiram à radiação?
Chernobyl

Como os fungos em Chernobyl reagiram à radiação?

O desastre de Chernobyl em 1986 foi um acidente nuclear na Usina Nuclear de Chernobyl, perto da cidade de Pripyat. Até hoje, é considerado o pior desastre nuclear da história. A área é altamente radioativa e habitável. No entanto, muitas áreas que fazem fronteira com a zona são relativamente seguras para se viver. Pesquisadores que estudam constantemente a área e fizeram uma descoberta sobre fungos crescendo nas paredes do reator no. 4. O que eles descobriram?

Os cientistas conseguiram encontrar fungos crescendo nas paredes do reator nuclear arruinado em Chernobyl. Esses fungos parecem absorver a radiação e convertê-la em energia química que auxilia no seu crescimento.

Os fungos comedores de radiação 

Os cientistas ficaram surpresos quando fizeram a descoberta em 1991. Pesquisadores remotamente pilotando robôs dentro da usina nuclear abandonada de Chernobyl descobriram fungos negros crescendo nas paredes do reator nuclear dizimado nº 4 e quebrando grafite radioativo do próprio núcleo. Além disso, os fungos pareciam estar crescendo em direção às fontes de radiação, como se os micróbios fossem atraídos para elas.

Mais de uma década depois, Ekaterina Dadachova, da Universidade de Saskatchewan, e seus colegas obtiveram alguns dos fungos e descobriram que eles cresciam mais rápido na presença de radiação do que outros fungos.

As três espécies testadas, Cladosporium sphaerospermum, Cryptococcus neoformanse Wangiella dermatitidis, todos apresentaram níveis elevados do pigmento melanina, que pode ser encontrado em diversos locais, inclusive na pele humana. Pessoas com tons de pele mais escuros têm muito mais.

A melanina é conhecida por sua capacidade de absorver a luz e dissipar a radiação ultravioleta. Mas nos fungos, também parecia absorver a radiação e convertê-la em energia química para o crescimento, talvez de maneira semelhante à forma como as plantas utilizam o pigmento verde clorofila para obter energia da fotossíntese. 

A melanina é conhecida por absorver a luz e dissipar a radiação ultravioleta, mas em fungos, parece absorver a radiação e convertê-la em energia química para o crescimento, possivelmente como as plantas usam o pigmento verde clorofila para obter energia da fotossíntese. (Fonte: Ciência realmente clara )

Os fungos comedores de radiação no espaço

Para saber mais sobre os fungos amantes da radiação de Chernobyl, os pesquisadores do Jet Propulsion Laboratory (JPL) enviaram oito espécies coletadas do local para a Estação Espacial Internacional (ISS) em 2016. Eles esperam ver como os organismos reagiriam no espaço.

O ambiente da ISS expõe os habitantes a 40 a 80 vezes mais radiação do que o ambiente da Terra. Os pesquisadores por trás do projeto esperavam que os fungos produzissem moléculas que pudessem ser adaptadas em drogas que poderiam ser dadas a astronautas em missões de longo prazo para protegê-los da radiação. As descobertas do experimento ainda não foram publicadas.

Dadachova observou em um artigo de 2008 que é improvável que os fungos atraídos pela radiação sejam os primeiros de seu tipo.

Grandes quantidades de esporos de fungos altamente melanizados foram encontrados em depósitos do início do período Cretáceo, quando muitas espécies de animais e plantas morreram. Este período coincide com a passagem da Terra pelo “magnético” resultando na perda de seu “escudo” contra a radiação cósmica.

Ekaterina Dadachova, Pesquisadora, Universidade de Saskatchewan

Este estudo apresenta uma possibilidade fascinante: poderia haver lugares no universo onde espécies contendo melanina florescem em ambientes ricos em radiação? A vida pode encontrar um caminho onde quer que haja energia a ser coletada. (Fonte: Ciência realmente clara)

Deixe um comentário