Início » Lei e Governo » Segurança Pública » Serviços de Emergência » Como os bombeiros tornam a água mais úmida?
Bombeiros

Como os bombeiros tornam a água mais úmida?

O combate a incêndios tem sido parte integrante dos serviços de resgate há séculos. Esses indivíduos altamente treinados são confiáveis ​​em seu serviço com plena capacidade e conhecimento do procedimento. Eles são responsáveis ​​por controlar e apagar incêndios, bem como responder a certas emergências que envolvem a vida, a propriedade e o meio ambiente. Ao longo dos anos, a tecnologia forneceu-lhes certas ferramentas e técnicas para auxiliar em seu trabalho. Uma delas é tornar a água mais úmida para extinguir os incêndios mais rapidamente. Mas como é feito?

Para que o resgate seja mais eficaz, os bombeiros usam um produto químico especial chamado espuma de combate a incêndios para ajudar a água a ficar mais úmida do que o normal. Isso diminui a pressão externa da água pura, por isso é mais fácil distribuir e fluir para as coisas.

Que espuma de combate a incêndios e como os bombeiros a usam?

A espuma de combate a incêndios está disponível no varejo desde o início de 1900. A National Fire Protection Association (NFPA) 11 – Protótipo para Espuma de Baixa, Média e Alta Expansão, Seção 3.1.10, define espuma como: uma acumulação estável de gotas de densidade inferior à do óleo ou da água.

A espuma é composta de três partes componentes: concentrado de espuma, água, energia. A energia pode assumir a forma de ar ou agitação mecânica e quando adicionada ao concentrado de espuma misturado com a quantidade adequada de água, a espuma acabada é produzida por meio de um dispositivo de descarga. 
A espuma acabada é muito fluida e flui facilmente sobre superfícies líquidas para esmagar chamas em quatro modos: Proíbe o oxigênio separa o combustível do vapor. Resfria a superfície do combustível, o teor de água da espuma. Evita a liberação de vapores ou combustível inflamável, E separa a chama da superfície do combustível. (Fonte: Proteção Internacional contra Incêndios)

O uso da espuma de combate a incêndios aumenta a eficiência operacional?

Várias brigadas de incêndio urbanas e rurais já adotaram o uso da Espuma Classe A como parte de suas táticas de funcionamento do dia-a-dia. O uso da Espuma Classe A, simplesmente, faz todo o sentido.

Para qualquer divisão que tenha que trazer sua água para o palco com eles e estabelecer transporte de caminhões-tanque, o uso de espuma Classe A pode facilmente melhorar a eficiência operacional do combate ao incêndio. A razão para isso é que a espuma Classe A, quando devidamente implantada, permite que o fogo seja extinto mais rapidamente e com muito menos água do que seria necessário se não estivesse sendo usada. 

Em média, o uso de espuma Classe A aumenta em dez vezes a capacidade de umedecimento da água. Em termos mais simplificados, tornando a água mais úmida. Além disso, a quantidade de tempo necessária após a extinção durante a revisão ou limpeza é bastante reduzida.

O benefício da espuma de combate a incêndio pelo corpo de bombeiros não é uma única resolução de extinção, mas sim uma ferramenta que quando integrada às táticas cria um cenário operacional mais eficiente.

Com o prefácio do Compressed Air Foam System (CAFS), algumas unidades adotaram a abordagem acreditando que poderiam reduzir o consumo de água em litros por minuto, mas a realidade é se usando CAFS ou aparelhos tradicionais de aplicação de espuma como uma linha ou bicos de espuma, água ainda é necessário para suprimir o incêndio.

O uso de espuma, como outros auxílios disponíveis para o corpo de bombeiros, é um multiplicador de força que, quando empregado com táticas tradicionais, estabiliza o risco de incêndio, permitindo que os bombeiros entrem na estrutura para revisão. 
Embora existam eficiências associadas ao uso de espuma, sejam avanços na tecnologia de hardware do sistema ou a própria concentração de espuma, o uso de espuma de combate a incêndio e espuma Classe A, em particular, é um ativo que o corpo de bombeiros não deve ignorar para proteção estrutural. (Fonte: Proteção Internacional contra Incêndios)

Deixe um comentário