A Grande Mancha Vermelha de Júpiter é tão barulhenta que suas ondas sonoras acústicas aquecem a atmosfera ao redor a quase 2400 graus Fahrenheit

Quando a sonda Pioneer 10 da NASA passou por Júpiter em 1973, ela enviou aos cientistas de volta algumas leituras intrigantes feitas na alta atmosfera do planeta.

Até então, a maioria dos pesquisadores planetários acreditava que as partes superiores de Júpiter seriam bem frias, considerando a distância que o gigante gasoso está dos raios solares.

E Júpiter não é o único planeta com esse problema: os cientistas têm dificuldade em explicar por que outros gigantes gasosos também são tão quentinhos, relata Becky Ferreira para o Motherboard.

“Para todos esses planetas [gigantes gasosos], temos um problema em explicar por que suas atmosferas superiores são tão quentes quanto são”, diz a Ferreira Luke Moore, um cientista pesquisador da Boston University e coautor do estudo.

Usando dados de temperatura coletados no Infrared Telescope Facility da NASA no Havaí, O'Donoghue e Moore descobriram que a Grande Mancha Vermelha é duas vezes mais quente do que as temperaturas médias encontradas em todo o resto da atmosfera de Júpiter.


Fonte: https://www.smithsonianmag.com/smart-news/jupiters-great-red-spot-also-red-hot-180959949/

A grande mancha vermelha de Júpiter também está em brasa

A Grande Mancha Vermelha de Júpiter é a característica mais marcante do gigante gasoso. Uma tempestade rodopiante de gás que girou por centenas de anos, o Spot também é a fonte de alguns dos mistérios mais profundos do planeta. Agora, graças a uma nova pesquisa publicada na revista Nature, um desses mistérios pode ter sido resolvido.

Quando a sonda Pioneer 10 da NASA passou por Júpiter em 1973, ela enviou aos cientistas de volta algumas leituras intrigantes feitas na alta atmosfera do planeta. A temperatura do planeta estava muito mais alta do que eles imaginaram que seria.

Até então, a maioria dos pesquisadores planetários acreditava que as partes superiores de Júpiter seriam bem frias, considerando a distância que o gigante gasoso está dos raios solares. Mas em vez dos rápidos -100 graus Fahrenheit que eles esperavam, a Pioneer 10 relatou que a atmosfera de Júpiter na verdade pairava em torno de 1,000 graus, Kenneth Chang relata para o New York Times.

“Basicamente, há uma pequena crise acontecendo”, disse o pesquisador da Universidade de Boston e autor do estudo James O'Donoghue a Chang. “Isso evidencia uma grave falta de conhecimento.”

Na verdade, ao longo dos anos, o problema foi apelidado de “crise de energia” de Júpiter por causa da vasta diferença entre a energia de que o planeta precisava para permanecer tão quente e a que os cientistas teorizaram. E Júpiter não é o único planeta com esse problema: os cientistas têm dificuldade em explicar por que outros gigantes gasosos também são tão quentinhos, relata Becky Ferreira para o Motherboard.

“Para todos esses planetas [gigantes gasosos], temos um problema em explicar por que suas atmosferas superiores são tão quentes quanto são”, diz a Ferreira Luke Moore, um cientista pesquisador da Boston University e coautor do estudo. “Sempre que há um problema que não podemos explicar, isso implica que falta alguma compreensão em nossa ciência desses planetas.”

Embora os cientistas tenham proposto todos os tipos de ideias, como as auroras polares de Júpiter podem ajudar a aquecer o planeta, até agora a maioria delas teve alguma falha fatal. Agora parece, entretanto, que a peça que faltava no quebra-cabeça pode ter sido encontrada.

Usando dados de temperatura coletados no Infrared Telescope Facility da NASA no Havaí, O'Donoghue e Moore descobriram que a Grande Mancha Vermelha é duas vezes mais quente do que as temperaturas médias encontradas em todo o resto da atmosfera de Júpiter. Grelhados a mais de 2,400 graus Fahrenheit, os pesquisadores acreditam que a Grande Mancha Vermelha pode ser parcialmente responsável pelo aquecimento de todo o gigante gasoso, relata Loren Grush para o The Verge.

A chave pode vir dos vendavais do Spot, que sopram a velocidades de até 400 milhas por hora. Com tanta turbulência, também seria muito alto, gerando ondas sonoras que disparam para cima e sacodem os átomos na atmosfera superior. Isso daria até mesmo às partes mais distantes da atmosfera de Júpiter um aumento de energia extra, ajudando-a a permanecer quente, relata Grush.

“Uma boa analogia para isso é que é quase como mexer uma xícara de café com uma colher”, O'Donoghue disse a Grush. “Se você estiver mexendo no sentido horário, mas de repente mexer no sentido anti-horário, haverá muito barulho ao redor ... E aquele barulho, você pode realmente ouvir isso. Isso indica que, na verdade, existem algumas ondas sonoras provenientes desse sloshing. ”

Essas novas descobertas não apenas fornecem novas evidências de por que Júpiter é tão quente, mas sugerem que as regiões superior e inferior de sua atmosfera estão muito mais interconectadas do que os cientistas pensavam. Com esses novos dados em mãos, os pesquisadores agora estão olhando para outras tempestades jupiterianas menores para ver se a mesma coisa acontece lá também. Com a espaçonave Juno da NASA finalmente em órbita ao redor do gigante gasoso depois de anos voando pelo espaço, Júpiter pode não permanecer tão misterioso por muito tempo.