Home page » Pessoas e sociedade » Por que os budistas criam mandalas de areia?

Por que os budistas criam mandalas de areia?

Uma mandala de areia é um padrão feito de areia colorida que é destruída como parte de um ritual budista tibetano. Mas qual poderia ser a história e o propósito por trás do ritual?

Os budistas tibetanos criam mandalas de areia apenas para destruí-las após um ritual específico. Isso representa o conceito de que nada dura para sempre e pretende simbolizar sua crença na natureza transitória do materialismo.

O que é uma mandala?

A mandala tibetana é um guia para obter sabedoria e compaixão, e é tipicamente descrita como uma composição geométrica bem equilibrada contendo divindades. A divindade principal está localizada no centro. 

Uma mandala também é utilizada como uma ferramenta para guiar as pessoas no caminho da iluminação. Os monges geralmente visualizam a mandala como um palácio tridimensional enquanto meditam sobre ela. As divindades que vivem no palácio representam ideias filosóficas e servem como modelos. O propósito da mandala é auxiliar na transformação de mentes comuns em mentes iluminadas.

Acredita-se que as mandalas tenham propriedades purificantes e curativas. Normalmente, um grande professor seleciona a mandala a ser criada. Os monges começam a construir a mandala de areia consagrando o local com cânticos sagrados e música. Eles então desenham um padrão detalhado de memória. Eles preenchem o desenho com milhões de grãos de areia colorida ao longo de vários dias.

Os monges então demonstram a impermanência da existência varrendo os grãos coloridos e dispersando-os em água corrente. (Fonte: Mandala de cura tibetana)

Como as mandalas curam?

De acordo com as escrituras budistas, as mandalas de areia transferem energia benéfica para os arredores e para aqueles que os observam. Monges budistas cantam e meditam enquanto constroem uma mandala para chamar os poderes divinos das divindades que residem nela. 

Os monges então buscam as bênçãos curativas dos deuses. Mesmo antes de ser varrido e distribuído na água corrente, o poder de cura de uma mandala se estende por todo o mundo. Este é outro símbolo de suas bênçãos sendo compartilhadas com todos. (Fonte: Mandala de cura tibetana)

Como o budismo tibetano começou?

Buda, que fundou o budismo na Índia no século V aC, falou sobre a impermanência da vida. A iluminação individual, a emancipação de todos os seres, o cultivo da compaixão e a percepção da essência da realidade são pilares do budismo tibetano, que surgiu no século VII. 

O budismo tibetano é uma versão evoluída do budismo. É um ramo do Vajrayana. Esta religião em particular foi trazida para o Tibete durante o reinado do Rei Srong-brtsan-sgam-po. Suas duas rainhas eram patronas da referida religião. (Fonte: Mandala de cura tibetana)

De onde vieram os monges?

Os monges tibetanos vieram do Mosteiro Drepung Loseling. Em 1959, a sede primária e a escola do mosteiro foram transferidas para o estado indiano de Karnataka, no sul da Índia. 

O Instituto Loseling, um mosteiro monástico com 2,500 monges, está localizado perto de Atlanta, Geórgia. (Fonte: Mandala de cura tibetana)

Missão do Mosteiro Drepung Loseling

Drepung Loseling dedica-se ao estudo e preservação da tradição budista tibetana de sabedoria e compaixão. É o centro para o cultivo do coração e do intelecto, fornece um santuário para a nutrição da paz e bondade interior, compreensão da comunidade e cura global. 

Ao implementar esta visão, Drepung Loseling tem dois objetivos principais:

  • Contribuir para a cultura norte-americana fornecendo conhecimento teórico e treinamento prático em tradições acadêmicas budistas tibetanas para estudantes ocidentais, acadêmicos e público em geral; e
  • Ajudar a preservar a cultura tibetana ameaçada, que hoje leva a uma existência frágil nas comunidades de refugiados exilados na Índia e no Nepal. 

(Fonte: Drepung)

Deixe um comentário