Casa » Sem categoria » Como um trabalhador de esgoto entrou no cofre de ouro do Banco da Inglaterra?

Como um trabalhador de esgoto entrou no cofre de ouro do Banco da Inglaterra?

Com todos os complexos sistemas subterrâneos da Inglaterra, não é uma surpresa encontrar passagens secretas que levam a vários lugares da cidade. 

Em 1836, um trabalhador do esgoto descobriu acidentalmente um velho ralo que corria sob o cofre de ouro do Banco da Inglaterra. Ele solicitou uma reunião com a alta administração do banco e saltou da sala para cumprimentá-los na hora que eles indicaram.

Com a tecnologia atual e os sistemas de segurança avançados, esse incidente provavelmente não aconteceria novamente.

A história por trás da localização

O Banco da Inglaterra estava originalmente localizado na Walbrook Street perto do local de um templo romano em 1964. Eles se mudaram para a Thread Needle Street na década de 1730. Após mais 50 anos, eles iniciaram a construção do edifício Soane e adquiriram o terreno vizinho para expansão.

A expansão não foi um projeto fácil, vários manifestantes não estavam interessados ​​em perder seus queridos monumentos. Chegou a um ponto em que os manifestantes da igreja ao lado começaram a disparar mísseis contra o banco da torre da igreja. Para aliviar a tensão entre as duas partes, o banco comprou o imóvel e prometeu preservar os túmulos. Mais tarde, tornou-se o pátio do jardim.

Em 1798, o Garden Court foi usado como cemitério novamente. O homem que foi enterrado ali era um caixa que trabalhou para o Banco da Inglaterra a maior parte da vida. Seu nome era William Jenkins. O banco concordou em fazer do pátio seguro do jardim seu local de descanso final, temendo que os ladrões de túmulos cavassem sua sepultura e usassem seu cadáver como uma espécie de atração de museu. Por quê? Simples, Jenkins tinha 6 pés e 7 polegadas de altura e era então um espetáculo na época. Quando o banco foi completamente reconstruído, os caixões do cemitério foram desenterrados e transferidos para o cemitério Nunhead, perto de Peckham, no sul de Londres. (Fonte: Banco da Inglaterra)

Túneis e passagens secretas

Quando o prédio do banco foi concluído, a alta administração do Banco da Inglaterra começou a receber cartas anônimas alegando ter acesso aos seus cofres de ouro. Essas abóbadas, em particular, foram refeitas e feitas alguns anos atrás e são consideradas as mais seguras, uma vez que estão assentadas sobre um alicerce de barro. Na verdade, o espaço também foi usado como abrigo anti-bombas. Desnecessário dizer que a administração não considerou as cartas e as ignorou.

Eles foram finalmente persuadidos a se encontrarem com o remetente, quando ele pediu para encontrá-los na hora que escolhessem. Eles marcaram a reunião após o expediente e, para sua surpresa, um homem saltou das tábuas do chão. O trabalhador do esgoto não roubou nada, para recompensar a sua honestidade, o banco deu-lhe 800 libras. (Fonte: Banco da Inglaterra)

Estranhezas no terreno do banco

Dizem que o banco é assombrado pelo Freira negra. Ela é irmã de um ex-funcionário do banco que havia sido condenado à execução por enforcamento por falsificação. Ela nunca soube do enforcamento e nunca viu os restos mortais de seu irmão. Ela voltava diariamente, vestida de preto até que fosse paga para nunca mais se mostrar. Segundo relatos, ela é vista caminhando pelos corredores e abóbadas em busca de seu irmão (Fonte: Revista da Grã-Bretanha)

Resumo

O Banco da Inglaterra tem uma história muito rica que remonta à época em que foi construído. Algumas das histórias e esquisitices do banco são bastante divertidas, mas encontrar um trabalhador do esgoto no cofre de ouro deve ser o mais interessante até agora.