Início » Comercial e industrial » Aeroespacial e defesa » Por que Vladimir Komarov teve um caixão aberto?

Por que Vladimir Komarov teve um caixão aberto?

Vladimir Mikhaylovich Komarov foi um piloto de testes soviético, engenheiro aeroespacial e cosmonauta. Ele morreu em um acidente quando o pára-quedas principal de sua Soyuz 1 não abriu. Mas você sabia por que ele tinha um caixão aberto em seu funeral? 

Vladimir Komarov, a primeira fatalidade espacial soviética, solicitou que seus restos mortais fossem exibidos em um caixão aberto após sua morte. Esta foi a maneira do cosmonauta enviar uma mensagem ao governo da missão condenada à qual ele foi designado.

O Programa Soyuz

Durante a corrida espacial, os russos aproveitaram para colocar o primeiro homem no espaço, mas os americanos estavam alcançando rapidamente. Seu programa Gemini pode lançar duas pessoas no espaço ao mesmo tempo. Os russos, que queriam superar o programa Gemini, decidiram que colocaria três homens no espaço simultaneamente.

Isso levou à melhoria da estrutura existente. Voskhod programa. O Voskhod foi uma modificação Vostok onde foi projetado para acomodar três cosmonautas no cockpit anteriormente projetado para apenas um. O Voskhod foi um veículo provisório até o Soyuz estava pronto para voar.

A Soyuz, que foi a resposta direta dos russos ao Apolo, já está em desenvolvimento há algum tempo. Ele foi projetado para ser um ônibus complexo com voos longos e recursos de ancoragem. Com uma grande ambição para a Soyuz vieram muitos atrasos. Dois anos se passaram desde que o último russo foi enviado ao espaço por causa disso.

Apesar de ter centenas de problemas de design, e como o 50º aniversário da revolução bolchevique está se aproximando rapidamente, o governo pressionou cada vez mais o programa Soyuz para realizar um voo. O governo queria um voo tripulado bem-sucedido a qualquer custo, apesar dos voos anteriores não tripulados da Soyuz, com os codinomes Cosmos 133 e 140, mostrando que o ônibus espacial estava longe de alcançar o sucesso.

Após revisões dos voos não tripulados fracassados, o governo sentiu que a Soyuz-1 seria bem-sucedida. Com isso em mente, a Rússia adotou um plano de missão muito ousado para atrair o interesse do mundo. Decidiu que, além da missão Soyuz-1, lançaria um segundo ônibus espacial, o Soyuz-2, no dia seguinte.

A Soyuz-2 deveria transportar três cosmonautas, e sua missão era realizar o primeiro acoplamento de ônibus espaciais no espaço sideral. O cosmonauta Vladimir Komarov comandaria a Soyuz-1 enquanto a Soyuz-2 estaria transportando Alexei Yeliseyev, Yevgeni Khrunov e Valeri Bykovsky.

Yeliseyev e Khrunov então caminhariam no espaço da Soyuz-2 para a Soyuz-1 e retornariam à Terra com Komarov. A missão seria um fracasso devido a problemas de desenvolvimento, bem como conflitos de personalidade entre os dois principais líderes do programa, o designer-chefe Vasily Mishin e o chefe do corpo de cosmonautas, general Nikolai Petrovich Kamanin. (Fonte: Revista de Segurança Espacial)

A morte de Komarov

Em 23 de abril de 1967, a Soyuz-1 decolou na órbita da Terra. O cosmonauta Vladimir Komarov o comandou. Assim que o ônibus espacial atingiu a órbita da Terra, um dos dois painéis solares não foi implantado. Logo, muitas falhas foram relatadas por Komarov, desde sistemas de telemetria e sensores até sistemas de orientação e propulsão.

Devido ao extenso treinamento de Komarov como cosmonauta, ele conseguiu superar a cadeia de falhas que encontrou a bordo da Soyuz-1. Ele estava pronto para retornar com segurança, mas infelizmente, outros problemas técnicos ocorreram. Os pára-quedas não abriram, enviando Komarov para a morte a 144 quilômetros por hora. Para adicionar a isso, os retrofoguetes só foram ativados quando a nave caiu, inflamando o restante do combustível e derretendo a nave inteira, com Komarov nele.

Enquanto os eventos aconteciam, a Agência de Segurança Nacional dos EUA ouvia silenciosamente o que estava acontecendo. Eles relataram que o primeiro-ministro soviético Alexei Kosygin disse a Komarov que ele era um herói enquanto chorava, e Komarov até falou com sua esposa.

O último áudio gravado antes do acidente foi Komarov em um ataque de raiva, alegando que os engenheiros do navio o mataram. Muitas especulações também afirmavam que, antes de Komarov morrer, ele ordenou que seus restos mortais fossem exibidos em um caixão aberto para enviar uma mensagem ao governo soviético de que o colocaram em uma missão fracassada. (Fonte: Mente Aberta BBVA)

Deixe um comentário